Blog do Marcel Rizzo

Conmebol pode tirar torcida de um jogo do Palmeiras em casa na Libertadores

Marcel Rizzo

Não é só com a suspensão, por enquanto provisória, de Felipe Melo na Libertadores que o Palmeiras se preocupa. A denúncia ao clube pelo comitê disciplinar da Conmebol após as brigas dentro (jogadores) e fora de campo (torcedores) na partida de quarta-feira (26) contra o Peñarol pode render ao menos um jogo como mandante de portões fechados, ou seja, sem torcida.

O jurídico trabalha para que o Palmeiras receba “apenas” uma multa, que pode chegar a US$ 400 mil (R$ 1,25 milhão). Mas uma partida sem torcedores, apesar do prejuízo financeiro, não é visto pela diretoria alviverde como o fim do mundo.

Se a definição pelo tribunal da confederação ocorrer logo, o confronto de portões fechados já poderá ser o de 24 de maio, contra o Tucumán-ARG, o último da fase de grupos. O Palmeiras provavelmente entrará em campo classificado para as oitavas de final da competição, e por isso a punição, limitada a isso, não será esportivamente lamentada, apenas financeiramente, já que as rendas no Allianz Parque são altas.

A briga na arquibancada e também do lado de fora do estádio entre torcedores do Peñarol e do Palmeiras após a vitória de 3 a 2 dos brasileiros, em Montevidéu, deve render também que fãs palmeirenses fiquem proibidos de entrar nos estádios como visitante – resta saber a quantos jogos se limitaria isso.

Atuar de portões fechados em casa por problemas em partida como visitante na Libertadores aconteceu com o Corinthians, em 2013, num caso, claro, muito mais grave do que de Montevidéu. Na Bolívia, um sinalizador lançado por corintiano acertou, e matou, o torcedor do San José Kevin Espada, de 14 anos. Inicialmente a pena foi de 60 dias de portões fechados, depois reduzida a só um jogo. O clube brasileiro também não teve torcedores em seus confrontos fora.

O Peñarol deve receber penas mais pesadas porque o relatório da partida alegou que houve problemas com o estafe que cuidou da segurança – tanto de formação, quanto de número insuficiente de profissionais, como mostrou a ESPN. Não foi a polícia quem fez a segurança interna do estádio.

Na Conmebol, apurou o blog, é dado como certa a interdição da arena Campeón del Siglo e que o clube atuará de portões fechados no estádio que escolher como substituto. Há uma corrente dentro da Conmebol que defendia até a exclusão do Peñarol da competição pelos problemas de segurança no estádio, mas a divulgação de relatório dizendo que a própria entidade pediu que os portões de acesso ao vestiário fossem fechados, para evitar invasão ao gramado, pode amenizar um pouco a situação do clube uruguaio.

Com relação a Felipe Melo, o Palmeiras avaliou internamente como boa a suspensão provisória de três jogos, já que ela contará para a pena final, caso confirmada. O clube desde o início queria que o volante começasse a cumprir a suspensão na fase de grupos, já que o time está com a vaga praticamente assegurada nas oitavas. Ele não poderá jogar na próxima quarta-feira contra o Jorge Wilstermann, na Bolívia.