Blog do Marcel Rizzo http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br Notícias dos bastidores do esporte, mas também perfis, entrevistas e personagens com histórias a contar Thu, 19 Apr 2018 12:53:34 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Estaduais testaram: preço do VAR no Brasil varia até 100% e dificulta uso http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/19/estaduais-testaram-preco-do-var-no-brasil-varia-ate-100-e-dificulta-uso/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/19/estaduais-testaram-preco-do-var-no-brasil-varia-ate-100-e-dificulta-uso/#comments Thu, 19 Apr 2018 10:00:04 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5590 A final única do Campeonato Catarinense teve à disposição o árbitro de vídeo (VAR, na sigla em inglês), em 8 de abril, a um custo de R$ 60 mil repartido entre Chapecoense, Figueirense e Federação de Santa Catarina — R$ 20 mil para cada (a tecnologia não precisou ser acionada durante a partida).

No momento em que a utilização do VAR em jogos de futebol no Brasil voltou ao topo das manchetes com polêmicas na final do Paulista e na primeira rodada do Brasileiro, a quantia a ser gasta e a variação dos valores orçados com o produto ainda são os principais empecilhos para que mais campeonatos, inclusive a Série A, tenham o vídeo como alternativa para tirar dúvidas no jogos.

Pouco menos de um mês antes da decisão do Catarinense, o Campeonato Gaúcho usou a tecnologia no clássico Inter x Grêmio, no Beira-Rio, ainda pela fase inicial. Segundo o presidente da Federação Gaúcha, Francisco Noveletto, o valor final para a utilização foi de R$ 30 mil, custo a cargo do Inter, clube mandante (como em Santa Catarina, não foi preciso acionar o VAR durante os 90 minutos).

A Federação Gaúcha tentou novamente o uso do recurso nos dois Grenais válidos pelas quartas de final do Estadual, mas não obteve a autorização da Fifa. Apesar de o VAR aparecer nas regras do futebol desde março, a entidade máxima do esporte ainda precisa dar o ok, e é preciso que haja um pedido com até 15 dias de antecedência, já informando, inclusive, nomes dos árbitros que atuarão no campo e na sala de vídeo, entre outros pontos.

Para as demais partidas do Gaúcho, a questão logística aumentaria o preço do produto, e por isso foi descartado, inclusive nas finais que teve jogo em Pelotas, distante 260 km da capital Porto Alegre.

Fibra ótica

O custo foi um dos fatores que fez com que a maioria dos participantes da Série A do Brasileiro optasse pelo não ao VAR em 2018 (a votação, realizada em fevereiro, terminou 13 a 7) — a CBF deixaria o pagamento a cargo dos clubes, e a estimativa apresentada foi de R$ 50 mil por partida, o que significaria R$ 19 milhões no total.

Como mostrou a coluna De Primeira, do UOL Esporte, um dos argumentos da CBF para o alto valor do árbitro de vídeo foi a extensão territorial do Brasil, que impediria, por exemplo, a criação de uma central única de fibra ótica, como é feita em Portugal e que deixa o custo por partida para uso do VAR na casa dos R$ 5 mil.

Em Santa Catarina, segundo apurou o blog, foi a logística o que encareceu o valor pago pela tecnologia na decisão. Como a partida ocorreu na Arena Condá em Chapecó, no oeste do Estado e a 550 km da capital Florianópolis, houve acréscimo de ao menos 50% ao valor final devido aos equipamentos necessários para transmissão de imagens e de comunicação entre o corpo de arbitragem.

O Figueirense, que venceu a partida por 2 a 0 e sagrou-se campeão, foi quem solicitou o VAR, já antes de o campeonato começar. Foi feito um orçamento prévio de que o custo para cada partida do Estadual seria de, em média, R$ 40 mil, mas para algumas localidades, como Chapecó, poderia ficar mais caro.

Como mostrou o blog, alguns clubes da Série A que votaram favor do VAR já em 2018 (a Chapecoense foi um deles) avaliaram que o custo médio poderia ficar em até R$ 30 mil, dependendo do estádio e cidade. A CBF, porém, não pretende voltar atrás na decisão de só avaliar o uso da tecnologia no Brasileiro a partir de 2019. Na Copa do Brasil será instalado a partir das quartas de final já em 2018, bancado integralmente pela CBF.

]]>
2
Futuro de Tite na seleção trava mercado de treinadores e Flamengo ‘sofre’ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/18/futuro-de-tite-na-selecao-trava-mercado-de-treinadores-e-flamengo-sofre/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/18/futuro-de-tite-na-selecao-trava-mercado-de-treinadores-e-flamengo-sofre/#comments Wed, 18 Apr 2018 04:00:48 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5573 O desempenho da seleção brasileira na Copa do Mundo da Rússia, e o futuro de Tite, ditam o mercado de técnicos no Brasil para o segundo semestre de 2018. Uma possível vaga para comandar o time da CBF a partir de julho ou agosto fez com que procuradores brecassem ofertas a seus clientes no momento. A ordem era ficar onde está e esperar.

À procura de um treinador desde que demitiu Paulo César Carpegiani no fim de março, o Flamengo “sofreu” com esse mercado que aguarda o Mundial (hoje o Fla está comandado pelo interino Mauricio Barbieri). Ao menos dois nomes cogitados não aceitaram mudar de planos no momento: Cuca, que está sem clube, e Renato Gaúcho, no Grêmio.

Renato era o preferido da diretoria flamenguista, e recebeu proposta para ganhar salário altíssimo na Gávea, equipe com a qual tem forte identificação, assim como no Grêmio. Rejeitou, muito porque o trabalho em Porto Alegre está bem avaliado, mas também porque sonha em dirigir a seleção brasileira.

Se a oportunidade aparecer após a Copa, com Tite deixando o cargo, é mais fácil para Renato deixar o Grêmio, clube que já está há quase dois anos nessa passagem, do que seria sair do Flamengo com poucos meses de trabalho. Renato tem recebido muitos elogios de profissionais do futebol — apesar de todo o ar de técnico “das antigas”, ele renovou procedimentos no Grêmio, com ótimas abordagens de scout de atletas e de gerenciamento de equipe.

Cuca tinha resistência dentro do Flamengo, mas seu nome apareceu como opção quando preferidos foram descartados. Ele, porém, já havia acertado contrato para ser comentarista da TV Globo durante a Copa. Uma experiência nova para o treinador, que desde que deixou o Palmeiras em outubro de 2017 está parado. O Atlético-MG o havia sondado, depois o Flamengo, mas a ideia de aguardar até a Copa do Mundo, materializada no ano passado, foi mantida.

Se o Brasil for campeão ou apresentar uma campanha satisfatória, a tendência é que Tite renove por mais um ciclo de Mundial, até 2022 (novo contrato que a cúpula da CBF gostaria até de antecipar, como já mostrou o blog). Se fracassar, até por iniciativa do treinador, a tendência é que haja o fim do casamento —  seria duro manter apoio ao trabalho por mais quatro anos em caso de trajetória muito ruim.

Hoje, a CBF, que tem um novo presidente eleito, o diretor executivo Rogério Caboclo, indicado por Marco Polo Del Nero, suspenso enquanto a Fifa investiga suspeitas de corrupção, não pensa um plano B pós-Copa caso Tite fracasse. Nos bastidores da entidade, há dois tipos de fracassos mencionados: o “7 a 1”, que é caso haja alguma derrota vergonhosa, sofrendo goleada ou para uma seleção inexpressiva, e o “Copa de 66”, que remete ao Mundial da Inglaterra, quando teve a pior campanha da história, caindo na primeira fase.

Ninguém imagina que qualquer um dos casos vá acontecer.

]]>
39
Brasileiro Sandro Meira Ricci deve atuar mais como árbitro de vídeo na Copa http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/17/brasileiro-sandro-meira-ricci-deve-atuar-mais-como-arbitro-de-video-na-copa/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/17/brasileiro-sandro-meira-ricci-deve-atuar-mais-como-arbitro-de-video-na-copa/#comments Tue, 17 Apr 2018 11:00:58 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5561

Sandro Meira Ricci será o árbitro brasileiro na Copa (Crédito: Juan Mabromata/AFP)

A Fifa vai priorizar profissionais da Europa e da América do Sul em posições chave de árbitro de vídeo durante a Copa do Mundo de 2018 — será a primeira vez em Mundial que a tecnologia será usada para analisar lances duvidosos. O brasileiro Sandro Meira Ricci deverá atuar com frequência nessa função na Rússia.

O departamento de arbitragem da Fifa entende que árbitros e assistentes europeus e sul-americanos estão mais bem treinados e ambientados com o sistema. Ricci, por exemplo, foi o primeiro profissional a atuar como VAR (na sigla em inglês) em uma Libertadores, na semifinal entre River Plate e Lanús, no ano passado. Ele também ocupou o posto na Copa das Confederações de 2017, na Rússia, e fala quatro línguas (português, inglês, espanhol e italiano), o que, claro, facilita a comunicação com outros membros da arbitragem.

Serão 36 árbitros e 63 assistentes convocados para a Copa, das seis confederações filiadas à Fifa. A entidade ainda não definiu se deixará alguns profissionais exclusivos como árbitro de vídeo, mas é possível que isso ocorra. De qualquer maneira, o posto de VAR, que é o principal profissional na sala de vídeo e quem se comunica diretamente com o árbitro de campo, deve ser na maioria dos jogos ocupado por um europeu ou sul-americano.

Relatório da Fifa apontou que os treinamentos realizados nesses dois continentes foram mais satisfatórios. Apesar de na América do Sul ainda não haver torneios com o VAR consolidado (os clubes participantes do Brasileirão, por exemplo, rejeitaram a tecnologia para 2018 alegando alto custo e ainda certa desconfiança quanto à sua efetividade), o sistema é testado há pelo menos três anos.

Da Europa, a Fifa optou por levar, por exemplo, árbitros e assistentes da Itália e da Holanda, países que nem se classificaram para o Mundial. Os italianos, assim como os alemães, já utilizam o VAR em sua primeira divisão. Os holandeses começarão a usar em sua elite a partir da próxima temporada, com início em agosto, mas a Holanda, assim como o Brasil, foi uma das federações pioneiras no teste com o árbitro de vídeo.

Quatro analisando as imagens 

Serão quatro profissionais analisando as imagens por partida, portanto juízes e assistentes das outras quatro confederações (África, Ásia, Américas do Norte, Central e Caribe e Oceania) também serão usados. Mas, hoje, a orientação é que nos dois postos chave dentro da sala, o escolhido seja europeu ou sul-americano.

A principal função, chamada pela Fifa de VAR, é do árbitro de vídeo principal, que terá comunicação direta com o juiz de campo e quem, de fato, vai definir se um lance precisa ser verificado. Este terá acesso a todas as câmeras espalhadas pelo estádio (33 no total).

O chamado AVAR2 (Árbitro de Vídeo Assistente 2) ficará exclusivamente atento às câmeras de impedimento (duas exclusivas da Fifa). Essa também é considerada uma função chave para a Fifa, que não quer erros nesses tipos de lance. Os demais profissionais, o AVAR1 e o AVAR3 analisarão outras câmeras, e devem ser profissionais de outras federações.

A Fifa definiu que montará uma base em Moscou, dentro do IBC (centro de transmissão), para que os profissionais de vídeo fiquem (e deu o nome de VOR, sigla em inglês para Video Operation Room, em tradução a Sala de Operação de Vídeo). Ou seja, os auxiliares que verão as imagens não estarão nos estádios, e a comunicação com o juiz de campo será feita por rádios.

Os 64 jogos da Copa da Rússia terão o VAR, que poderá ser usado para tirar dúvidas em casos de impedimentos, se o pênalti foi dentro ou fora da área, se o cartão vermelho dado diretamente foi justo e para identificar atletas que mereçam ser advertidos em casos de confusão, por exemplo. A decisão final, seja se o VAR será usado ou se uma decisão de campo pode ser modificada, vai ser sempre do árbitro de campo.

]]>
1
Clubes a favor do VAR cogitaram uso como mandante já em 2018. Não deu certo http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/16/clubes-a-favor-do-var-cogitaram-uso-como-mandante-ja-em-2018-nao-deu-certo/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/16/clubes-a-favor-do-var-cogitaram-uso-como-mandante-ja-em-2018-nao-deu-certo/#comments Mon, 16 Apr 2018 10:40:11 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5544 Antes mesmo de o Campeonato Brasileiro começar no fim de semana que passou com polêmicas de arbitragem, principalmente no empate por 2 a 2 entre Vitória e Flamengo, parte dos clubes que votou a favor do uso do árbitro de vídeo (VAR, na sigla em inglês) cogitou bancar a tecnologia em suas partidas como mandante.

Houve, porém, entendimento dos departamentos jurídicos de que seria preciso autorização da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), organizadora do torneio. Cartolas sugeriam que o uso ou não do VAR poderia ser tratado de forma parecida como são os direitos de transmissão da Série A, que cada participante negocia separadamente com as TVs, sem interferência da confederação.

Os jurídicos, porém, rejeitaram essa hipótese. O uso do VAR não aparece no regulamento especifico do Campeonato Brasileiro, mas está no regulamento geral das competições da CBF. Ali está escrito que a confederação pode determinar o uso do árbitro de vídeo nos torneios que organiza, no momento que quiser. Desta maneira, ficou entendido que sem o aval da CBF, nem mesmo pagando do bolso os clubes que quisessem conseguiriam usar o VAR esse ano.

O blog apurou que a CBF dá o caso como encerrado após a assembleia, em fevereiro, ter decidido por 13 votos a 7 o não uso do VAR em 2018 (o São Paulo se absteve, mas depois informou que votaria contra), portanto nem abriria conversa caso consultada se cada clube poderia usar o VAR se quisesse.

Na reunião realizada os sete que votaram a favor do uso da tecnologia já em 2018 foram Flamengo, Palmeiras, Bahia, Internacional, Botafogo, Chapecoense e Grêmio.  O não veio de Corinthians, Sport, Vitória, Fluminense, Vasco, Santos, Paraná, Ceará, América-MG, Cruzeiro, Atlético-MG, Atlético-PR e São Paulo.

Os argumentos usados pelos do contra foram o custo estimado de R$ 50 mil por partida, que a CBF informou que seria bancado pelos clubes, o fato de a entidade avisar que só conseguiria disponibilizar o VAR a partir do segundo turno e, por último, que a tecnologia ainda está em fase de testes mundo afora.

Estudo feito a pedido de alguns dos que queriam a tecnologia já esse ano mostrou que o valor a ser pago por partida poderia ser bem menor, entre R$ 25 mil e R$ 30 mil por jogo dependendo do estádio e da cidade a se utilizar o árbitro de vídeo — são necessários câmeras, equipamentos de edição, carro para transmissão das imagens, além de instrumentos de comunicação entre os árbitros.

VAR já é oficial

Depois de quase três anos de experimentos, inclusive no Brasil, o VAR foi definitivamente incorporado às regras de futebol em março. Ele já foi usado pela Fifa, por exemplo, no Mundial de Clubes e na Copa das Confederações da Rússia, em 2017, ainda na fase de testes. A Fifa divulgou estudo que mostra que em 98,9% dos casos houve eficiência pelo uso do vídeo, e a utilização da tecnologia na Copa de 2018, que começa em 14 de junho na Rússia, foi aprovada.

Alguns lugares, entretanto, continuam com o pé atrás. A Uefa (União Europeia de Futebol) não tem planos de uso na principal competição de clubes do mundo, a Liga dos Campeões, assim como a Premier League, que organiza o Campeonato Inglês, o principal torneio nacional da atualidade.

Para 2019, a CBF espera utilizar o VAR no Brasileiro. O Palmeiras exigiu da Federação Paulista de Futebol (FPF) que o árbitro de vídeo passe a ser usado no Paulistão do ano que vem, depois que polêmicas ocorreram na final do torneio de 2018, dia 8 de abril contra o Corinthians, com um pênalti inicialmente marcado de Ralf em Dudu ter sido revertido pelo árbitro Marcelo Aparecido de Souza — o clube suspeita que possa ter havido interferência externa na decisão, o que a FPF nega.

]]>
16
Vai aceitar? FPF agenda pagamento a Palmeiras de prêmio por vice paulista http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/14/vai-aceitar-fpf-agenda-pagamento-a-palmeiras-de-premio-por-vice-paulista-2/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/14/vai-aceitar-fpf-agenda-pagamento-a-palmeiras-de-premio-por-vice-paulista-2/#comments Sat, 14 Apr 2018 15:46:01 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5540 A Federação Paulista de Futebol (FPF) pagará a premiação do Campeonato Paulista na próxima semana, incluindo o R$ 1,65 milhão ao Palmeiras pelo vice-campeonato da competição. O clube rompeu com a entidade no início da semana, após a polêmica de um pênalti marcado, e depois desmarcado, sobre Dudu na derrota por 1 a 0 para o Corinthians, no domingo (8) — o rival venceu por 4 a 3 nos pênaltis e se sagrou campeão.

Até o momento, o Palmeiras não afirmou se rejeitará o dinheiro. Ainda no domingo, deixou o gramado antes de receber as medalhas de vice-campeão e não compareceu à festa do Paulistão, na segunda (9), quando teve oito jogadores na seleção do torneio, além do melhor atleta (o goleiro Jailson) e Roger Machado como melhor treinador. As medalhas e esses troféus continuam na sede da entidade e não há previsão de entrega — ou de retirada.

Segundo o departamento de comunicação do clube, está nas mãos do presidente Mauricio Galliote qualquer decisão a respeito desse assunto, inclusive com relação ao prêmio em dinheiro do Paulistão. O blog apurou que a tendência é de o clube receber a verba porque parte será destinada ao bicho do elenco pela campanha.

O pagamento da premiação será feito à vista. O Corinthians, campeão, terá direito a R$ 5 milhões, o Palmeiras a R$ 1,65 milhão, o São Paulo (terceiro colocado) a R$ 1,1 milhão e o Santos (quarto) a R$ 880 mil. O valor é o mesmo desde 2016.

A diretoria do Palmeiras emitiu nota oficial rompendo com a Federação Paulista, e prometendo algum tipo de boicote ao Estadual em 2019 se seus pedidos não forem atendidos: ter árbitro de vídeo (o VAR, na sigla em inglês) em seus jogos, que a comunicação entre os árbitros seja gravada e repassada aos clubes, se necessário, e mudanças no departamento de arbitragem da FPF.

A principal reclamação do clube foi a presença no campo de Dionisio Roberto Domingos, chefe dos árbitros em São Paulo, que segundo o clube pode ter se comunicado com um dos auxiliares para falar que não teria sido pênalti cometido por Ralf em Dudu, o que é proibido pelas regras do futebol. A FPF nega a interferência externa na decisão do árbitro Marcelo Aparecido de Souza de voltar atrás na marcação da falta, e diz que Domingos poderia estar no campo porque estava inscrito como tutor da arbitragem para a decisão.

O caso está sendo investigado pelo Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP), e poderia até resultar na anulação da partida, algo considerado bem improvável inclusive para a cúpula palmeirense. Como mostrou o blog, o contrato assinado com a Globo, que vale por mais três anos, dificultará qualquer tentativa de boicote do Palmeiras ao Paulistão em 2019, seja o de não participar ou até o de usar atletas juniores.

]]>
148
Conmebol quer mais filiados e Brasil pode encarar Suriname, Guiana e Aruba http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/13/conmebol-quer-mais-filiados-e-brasil-pode-encarar-suriname-guiana-e-aruba/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/13/conmebol-quer-mais-filiados-e-brasil-pode-encarar-suriname-guiana-e-aruba/#comments Fri, 13 Apr 2018 04:00:24 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5501 A Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) tenta viabilizar projeto para aumentar o número de filiados (hoje são dez). A ideia é que alguns territórios membros da Fifa que hoje fazem parte da Concacaf (Confederação das Américas do Norte, Central e Caribe) sejam incorporados pelos sul-americanos.

Os dois principais alvos são Suriname e Guiana, que geograficamente fazem parte da América do Sul — têm divisa com o Brasil — , mas há também interesse em algumas ilhas que estão próximas ao continente, como Aruba e Curaçao.

Há divisão entre membros da Conmebol sobre o assunto. Os favoráveis avaliam que seria importante aumentar o número de membros e, consequentemente, de votos no Congresso da Fifa agora que temas importantes, como escolha de sede de Copa do Mundo, por exemplo, são decididos pelos 211 filiados.

Hoje, a Conmebol é a confederação da Fifa que menos eleitores tem, apenas dez. A Concacaf, por exemplo, tem 35 filiados, a Uefa (União Europeia de Futebol) 55, a CAF (África) 54, a AFC (Ásia) 46 e a OFC (Oceania) 11. Votos são importantes para conseguir apoio a projetos, e normalmente as confederações votam em bloco.

Há também uma questão financeira no projeto de aumentar os filiados. As federações que chegariam à Conmebol são pequenas, pouco estruturadas, e a Fifa tem projetos de desenvolvimento do futebol em que despeja milhões de dólares para aperfeiçoamento de profissionais, construções de campos, entre outros pontos. Como a Concacaf tem, em sua maioria, membros pobres, a divisão do dinheiro é maior, sobrando menos a cada um dos filiados.

Se Suriname e Guiana, por exemplo, se tornarem filiados à Conmebol, a confederação da América do Sul poderia gerenciar verbas maiores para o desenvolvimento do futebol no continente, o que deverá impactar também em outros filiados como Bolívia e Venezuela, que também não têm grandes estruturas.

Aqueles que são contra argumentam que tecnicamente seria um desastre ter seleções tão fracas disputando as competições no continente, como Copa América, torneios de base e, principalmente, as Eliminatórias — que, para a Copa de 2026, provavelmente teria que mudar seu formato de disputa, atualmente feito no sistema de pontos corridos, todos contra todos.

No classificatório da Concacaf para a Copa do Mundo da Rússia, dos países citados como alvo, Suriname e Guiana chegaram à segunda fase e foram eliminados, respectivamente, por Nicarágua e São Vicente e Granadinas. Curaçao e Aruba avançaram à terceira etapa (que ainda não tinha México, EUA, Honduras, Panamá e Costa Rica, as forças do continente participando), mas perderam para El Salvador e São Vicente e Granadinas, respectivamente. No ranking Fifa, Curaçao aparece na melhor posição, em 71º, enquanto Suriname (154º), Guiana (162º) e Aruba (182º) estão bem abaixo.

CBF vê com bons olhos

Na Confederação Brasileira de Futebol há um entusiasta sobre esse assunto: o presidente em exercício Antônio Carlos Nunes, o Coronel Nunes, que comanda a entidade enquanto Marco Polo Del Nero está suspenso pela Fifa, que investiga suspeitas de corrupção. Nunes é ex-presidente da Federação do Pará, Estado brasileiro próximo ao Suriname e à Guiana e que vê anualmente vários atletas brasileiros indo jogar nesses países.

A ideia é que se integrados à Conmebol, seria mais fácil para a CBF ajudar os países com fornecimento de material e profissionais para o desenvolvimento do futebol. Como é praticamente amador, muitos brasileiros que se aventuram por lá acabam jogando e vivendo em condições precárias, muitos sem receber.

Para ganhar filiados, o primeiro passo da Conmebol é apresentar um projeto à Fifa com motivos técnicos e financeiros que expliquem a motivação. O segundo é convencer o membro da Concacaf a fazer parte da Conmebol — sem o consentimento do país, claro, não há negócio. A Concacaf pode até apresentar argumentos pela manutenção dos membros, mas se o filiado quiser,  e a Fifa entender que há argumentos favoráveis a isso, não tem o que a Confederação das Américas do Norte, Central e Caribe fazer para mantê-los.

Não é incomum federações mudarem de confederações, e a geografia da Fifa é muito peculiar com relação a isso — você não precisa fazer parte territorialmente da América do Sul para estar na Conmebol. Caso clássico é o da Austrália, que para a Fifa desde 2005 faz parte da Ásia, e não da Oceania. Nesse caso, o pedido partiu dos australianos, que viam o futebol em seu continente muito fraco e maiores chances de chegar às Copas do Mundo atuando pela Ásia — o que se comprovou, já que esteve nos últimos quatro mundiais.

Nesta quinta (12), ocorreu o Congresso da Conmebol, em Buenos Aires, na Argentina, com a presença do presidente da Fifa, Gianni Infantino, e de representantes da Concacaf, entre eles o presidente da entidade, o canadense Victor Montagliani. O assunto seria debatido extraoficialmente.

A Conmebol tem acordo com a Concacaf para apoiar a candidatura tripla de EUA/ México/Canadá como sede da Copa-2026, em disputa contra Marrocos — a eleição será realizada dia 13 de junho, em Moscou, véspera da abertura da Copa da Rússia. Em troca, espera que a Concacaf apoie a candidatura também tripla (Argentina/Uruguai/Paraguai) para o Mundial de 2030. Por isso um acordo para que alguns membros migrem de confederação não deve ser difícil de ser costurado.

]]>
8
Cartolas devem ficar até 19 dias na Copa bancados pela CBF. Mas sem esposas http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/12/cartolas-devem-ficar-ate-19-dias-na-copa-bancados-pela-cbf-mas-sem-esposas/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/12/cartolas-devem-ficar-ate-19-dias-na-copa-bancados-pela-cbf-mas-sem-esposas/#respond Thu, 12 Apr 2018 04:00:53 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5486

Rogério Caboclo será presidente eleito da CBF durante a Copa (Crédito: Rafael Ribeiro/CBF.com.br/Divulgação)

Os presidentes das federações estaduais que acompanharão a Copa do Mundo na Rússia bancados pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) receberam parte da programação de viagem. Inicialmente devem ficar até 19 dias em solo russo, quando verão as três partidas da seleção brasileira na fase de grupos.

A previsão de chegada na Rússia é 11 de junho, três dias antes da abertura do Mundial, jogo entre Rússia e Arábia Saudita, em Moscou — não há garantia que todos terão acesso a esta partida, já que a Fifa reserva cota prioritariamente para membros de seu Conselho e chefes das 211 confederações filiadas. Além dos 27 presidentes de federações, viajarão a convite da CBF cinco cartolas de clubes da Série A e outros cinco da B, definidos por sorteio.

Como será uma novidade a viagem de tantos dirigentes para um Mundial, já que normalmente se sorteava cinco ou seis pacotes entre todos os presidentes, desta vez não haverá pagamento para acompanhantes. Ou seja, o dirigente que quiser levar a esposa, por exemplo, terá que pagar do próprio bolso a passagem, a hospedagem e os traslados internos. A CBF já avisou também que não arcará com as refeições dos convidados quando não houver atos oficiais — estima-se que a CBF gaste cerca de R$ 3 milhões.

Os jogos do Brasil serão em 17 de junho, em Rostov, contra a Suíça, dia 22 de junho em São Petersburgo, frente a Costa Rica, e 27 de junho em Moscou, diante da Sérvia. Dois dias depois, em 29 de junho, uma sexta-feira, está marcado o retorno da caravana.

Há previsão de que, antes da estreia, todos visitem a concentração da seleção brasileira em Sochi, ao sul de Moscou — na capital russa estará a base da cartolagem. Rogério Caboclo, diretor executivo da entidade que na época já será o presidente eleito da CBF, já que é candidato único na eleição que será realizada em 17 de abril, será o chefe de delegação da seleção, portanto estará a maior parte do tempo ao lado do elenco de Tite.

O presidente em exercício da CBF, Antônio Carlos Nunes, o Coronel Nunes, que na época deverá estar em definitivo na função com a possível suspensão longa de Marco Polo Del Nero, investigado pela Fifa por suspeita de corrupção, será o encarregado de ficar a maior parte do tempo com os dirigentes que vão viajar.

A CBF diz que a viagem dos cartolas não tem ligação com a eleição e o apoio ao candidato único de situação, e sim uma oportunidade para o desenvolvimento do futebol com a presença desses dirigentes no principal torneio de futebol do planeta. Os clubes que terão seus presidentes viajando custeados pela CBF são Atlético-MG, Bahia, Atlético-PR, Ceará, São Paulo, Avaí, Guarani, CRB, Brasil de Pelotas e Paysandu.

]]>
0
Ingleses se movimentam por Copa-2030 e América do Sul e China ganham rival http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/10/ingleses-se-movimentam-por-copa-2030-e-america-do-sul-e-china-ganham-rival/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/10/ingleses-se-movimentam-por-copa-2030-e-america-do-sul-e-china-ganham-rival/#comments Tue, 10 Apr 2018 11:35:30 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5477 A candidatura tripla de Argentina, Uruguai e Paraguai para receber a Copa do Mundo de 2030, que marcará o centenário do torneio, já tem até o número de sedes definido, dividido por cada país, mas deve enfrentar forte concorrência. Primeiro a China, principal parceira comercial da Fifa na atualidade, e agora a Inglaterra aparecem como possíveis candidatos.

Os ingleses ainda são discretos na possibilidade de se candidatarem, mas o blog apurou que há articulação para apoiar EUA/México/Canadá na briga com Marrocos pela sede da Copa do Mundo de 2026. A eleição será realizada dia 13 de junho, em Moscou, na véspera da abertura da Copa da Rússia, e cartolas da Inglaterra trabalham para que boa parte dos eleitores europeus votem na candidatura tripla dos países da América do Norte — as 211 federações filiadas à Fifa terão direito a voto — pensando já em 2030.

A Inglaterra perdeu para a Rússia o direito de ser sede da Copa-2018, em votação, à época, feita somente pelos membros do então Comitê Executivo, formado por 25 membros. Houve suspeita de compra de votos, tanto para o Mundial vencido pelos russos como para 2022, que teve o Qatar como escolhido. Desta vez, porém, o novo formato de votação, com todos os filiados escolhendo, e em um sistema aberto (as escolhas serão anunciadas) fazem os ingleses avaliarem seriamente a possibilidade de se candidatar.

A China também ainda não se apresentou oficialmente como pré-candidata, mas tem no aporte financeiro de empresas do país na Fifa o principal cartão de visitas para isso. Hoje, dos 12 principais patrocinadores da entidade, quatro são chineses — Wanda (conglomerado imobiliário), Hisense (eletrônicos), Vivo (telecomunicação, sem ligação com a empresa brasileira homônima) e Mengniu (manufaturados).

Os países da América do Sul tem, como um dos argumentos por 2030, o fato de o primeiro Mundial ter sido jogado no Uruguai, portanto os 100 anos da Copa deveriam ser comemorados de volta ao palco inicial. Resta saber se isso servirá contra o poderio econômico dos possíveis concorrentes.

A Fifa deve tomar uma decisão sobre a Copa-2030 daqui dois anos, em 2020, o que dará dez anos para o escolhido se preparar, mais do que os oito anos que atualmente são proporcionados.

Argentina como base

Na segunda (9), os dirigentes dos países da América do Sul postulantes por 2030 divulgaram como seria a divisão de sedes por países: a Argentina teria oito cidades recebendo jogos, e Uruguai e Paraguai duas cada. São 12 no total, portanto, para receber 80 partidas em uma Copa do Mundo que já estará inchada com 48 seleções — atualmente são 32 participantes, com 64 confrontos.

Havia dúvida, entre os sul-americanos, se este número seria suficiente para dar tempo de descanso aos gramados, mas um estudo feito mostrou que sim. As duas candidaturas para 2026, ano em que será a estreia do novo formato da Copa, têm mais sedes em seus projetos: EUA/México/Canadá prometem 16 estádios, e Marrocos 14.

A ideia é usar Lionel Messi como garoto-propaganda do Mundial. Em 2030, claro, ele já terá encerrado sua carreira, mas a aposta é que será um grande chamariz para possíveis patrocinadores.

]]>
6
Contrato com a Globo impede Palmeiras de atitude radical contra o Paulistão http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/09/contrato-com-a-globo-impede-palmeiras-de-atitude-radical-contra-o-paulistao/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/09/contrato-com-a-globo-impede-palmeiras-de-atitude-radical-contra-o-paulistao/#comments Mon, 09 Apr 2018 10:28:23 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5465 O contrato dos direitos de transmissão do Campeonato Paulista, válido até 2021, trava a diretoria do Palmeiras de qualquer possibilidade de protestos mais contundentes ao Estadual nas próximas temporadas. Desde a noite de domingo (8), após toda a polêmica na derrota para o Corinthians na decisão do torneio, conselheiros e dirigentes palmeirenses bombardeiam a cúpula do clube com mensagens pedindo medidas radicais como não participar do torneio ou a utilização de um time de juniores em 2019.

Renovado em 2015 para valer a partir de 2016, o acordo de direitos de transmissão do Paulista com o Grupo Globo é até 2021 para todas as plataformas (TVs aberta e fechada, pay-per-view e internet). Diferentemente das negociações para o Campeonato Brasileiro, feitas separadamente por cada clube, no Estadual as tratativas são em bloco e com intermediação da Federação Paulista de Futebol (FPF).

Em 2015, os quatro grandes de São Paulo — Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos — negociaram juntos e fecharam os mesmos valores até 2021. Na assinatura foi paga uma bonificação, de R$ 20 milhões, que é mais um motivo que dificulta qualquer possibilidade de retaliação mais forte ao campeonato.

O valor pago anualmente a cada grande clube deve chegar aos R$ 20 mi em 2021, último ano acordo, e em 2018 foi de aproximadamente R$ 17 milhões — é um pouco variável a cada um porque entra na conta número de jogos transmitidos em TV aberta e audiência do pay-per-view.

O blog apurou que, pelo acordo, também há uma necessidade de os clubes colocarem em campo, na maior parte do torneio, seus melhores jogadores, o que impediria, num primeiro momento, a escalação de um time de garotos como o Atlético-PR costuma fazer no Campeonato Paranaense. O regulamento do campeonato limita o número de inscritos a 26, mas libera a utilização de atletas da base, o que tornaria até viável a escalação de uma equipe de juniores em boa parte da competição.

Palmeiras e Globo estão, atualmente, negociando um novo contrato para TV aberta a pay-per-view do Campeonato Brasileiro a partir de 2019. Para TV fechada o clube já fechou com o Esporte Interativo, concorrente do SporTV, e por isso a Globo quer pagar um valor menor ao Palmeiras do que vai desembolsar para outros clubes de grande torcida.

Sem festa

A diretoria do Palmeiras tirou seus jogadores de campo após a derrota nos pênaltis para o Corinthians, que não participaram da entrega de medalhas. E não enviou representantes na festa que foi realizada nesta segunda (9), quando foi anunciada a seleção do campeonato (Palmeiras teve oito jogadores e o craque da competição). Estas atitudes, num primeiro momento, não devem render retaliações ao clube.

A principal reclamação alviverde foi no pênalti marcado por Marcelo Aparecido de Souza de Ralf sobre Dudu, na metade do segundo tempo, quando o Corinthians já vencia por 1 a 0, mas que depois foi revertido com a informação do quarto árbitro Adriano de Assis Miranda ao juiz principal de que, em sua visão, não havia sido falta.

O Corinthians venceu no tempo normal por 1 a 0, devolvendo o placar favorável ao Palmeiras no primeiro jogo, e garantiu a taça nos pênaltis por 4 a 3.

Atualizada às 22h27

]]>
123
Artilheiro cobiçado por Atlético-MG, Grêmio e São Paulo deve ficar no Ceará http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/07/artilheiro-cobicado-por-atletico-mg-gremio-e-sao-paulo-deve-ficar-no-ceara/ http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/2018/04/07/artilheiro-cobicado-por-atletico-mg-gremio-e-sao-paulo-deve-ficar-no-ceara/#comments Sat, 07 Apr 2018 04:00:34 +0000 http://marcelrizzo.blogosfera.uol.com.br/?p=5447

Arthur fez 16 gols na temporada, e é o artilheiro do Ceará (Crédito: Pedro Chaves/FCF)

Aos 19 anos, o atacante do Ceará Arthur Cabral é um dos artilheiros do Brasil na temporada 2018, 16 gols (junto com outro jogador de clube cearense, Gustavo, do rival Fortaleza). E atiçou interesse de ao menos três grandes clubes: Atlético-MG, Grêmio e São Paulo procuraram mais informações sobre o atleta, como valor de multa rescisória, tempo de contrato e salário pretendido em caso de negociação.

Todos ouviram, porém, que a tendência é ele renovar seu acordo com o Ceará, que em 2018 retornará à Série A do Campeonato Brasileiro. O acordo atual é válido até meados de 2019, mas será estendido para que o jogador ganhe um aumento salarial, o que automaticamente também elevará o valor da multa rescisória.

Segundo informações do jornalista Fernando Graziani, em seu blog no jornal O Povo, a multa de Arthur hoje é de cerca de R$ 3,5 milhões, com 70% dos direitos econômicos vinculados ao Ceará e o restante ao atleta e seu estafe.

O valor não é astronômico, mas mesmo assim foi considerado alto pelos clubes que sondaram o atacante, principalmente pela pouca idade, 19 anos, apesar do potencial apresentado por Arthur. O clube que mais avançou na conversa foi o Atlético-MG, que gostaria de pagar parte dessa quantia, deixando Ceará e jogador  ainda com percentuais de futura venda.

Os cearenses, entretanto, acham que renovando agora com Arthur, por mais dois anos ao menos, podem conseguir um valor maior, talvez até em uma transação para fora do país. O atacante atuará na Série A do Brasileiro, contra os principais times do Brasil, com televisionamento e, portanto, terá maior visibilidade.

Formado na base do Ceará, Arthur é natural de Campina Grande, na Paraíba, e estreou em 2017, quando fez cinco gols em 22 partidas. Em 2018 iniciou como reserva, mas aos poucos ganhou espaço, fez gols e foi decisivo para o Ceará na primeira partida da final Estadual, quarta (4), ao marcar duas vezes na vitória por 2 a 1 sobre o Fortaleza.

No domingo (8) ocorre o segundo jogo da decisão, também na Arena Castelão, e o Ceará joga pelo empate para levantar a taça.

]]>
11