Blog do Marcel Rizzo

Cuca muda muito o Palmeiras? Em 2016 testou bem mais até achar o time ideal

Marcel Rizzo

Cuca não encontra a escalação ideal e tem mudado com frequência o time titular do Palmeiras, por opção ou por necessidade (lesões, convocações ou suspensões).

O ano é 2017, mas poderia ser 2016. Críticas ao treinador por mudanças constantes de escalação ou esquema tático esta temporada parecem esquecer que ocorreu o mesmo um ano atrás. O mesmo, não: em 2016 os testes e mudanças por necessidade foram até maiores, considerando os 11 primeiros jogos.

Levantamento do blog mostra que, neste ano, Cuca já escalou 21 jogadores diferentes como titular. Em 2016, no mesmo número de partidas (11), foram 24. A semelhança é o jogador que nunca saiu, o goleiro Fernando Prass – que em 2016 se lesionaria no início do segundo semestre e ficaria o restante do ano fora.

Cuca vem fazendo o que fez em 2016: testando possibilidades, jogadores em mais de uma posição, esquemas táticos. Jean já foi lateral e volante, como neste domingo contra o Bahia, Juninho foi zagueiro e lateral, Felipe Melo volante e zagueiro e Zé Roberto meia e lateral.

Em 2016, Jean também foi testado nas duas funções, até “se achar” na lateral. Roger Guedes só teve oportunidade como titular na 11ª partida de Cuca, justamente o limite analisado neste texto. O jogo foi a semifinal do Paulista, a eliminação contra o Santos, mas apenas nos pênaltis e com boa atuação do time e do jogador, que se firmaria na posição.

Gabriel Jesus foi ganhando espaço aos poucos, primeiro como segundo homem do ataque (Alecsandro e Barrios eram as referências), depois como o ''nove''. Tchê Tchê e Moisés, os pilares do meio palmeirense no título brasileiro, não apareceram nenhuma vez como titular nesse levantamento – Tchê Tchê só chegaria do Audax depois do Paulistão e Moisés se recuperava de lesão, como agora.

Em 2017, o técnico ainda terá jogadores para estrear, como o volante Bruno Henrique. Nada impede que Borja, hoje reserva, ganhe espaço quando o meio de campo estiver fortalecido com Moisés de volta.

A comparação é um alento para aqueles palmeirenses pessimistas com a irregularidade do time neste momento. Em 2016, foram mais testes feitos até achar o time. E como a vaga nas quartas de final da Libertadores, prioridade do ano, em confronto contra o Barcelona-EQU só será decidida em 9 de agosto, Cuca tem mais algum tempo para encaixar o time.

Em 2016 (jogadores que começaram como titular nas 11 primeiras partidas de Cuca) – 24

Goleiro: Fernando Prass
Laterais: Lucas, João Pedro, Jean (volante e lateral), Zé Roberto (meia e lateral), Egidio e Victor Luis
Zagueiros: Edu Dracena, Thiago Martins, Roger Carvalho e Vitor Hugo
Volantes: Gabriel, Thiago Santos, Matheus Sales e Arouca
Meias: 
Allione e Robinho
Atacantes: 
Dudu, Alecsandro, Gabriel Jesus, Rafael Marques, Erik, Barrios e Roger Guedes

Em 2017 (após 11 jogos) – 21

Goleiro: Fernando Prass
Laterais: 
Mayke, Fabiano, Jean (lateral e volante), Egídio e Zé Roberto (lateral e meia)
Zagueiros: 
Mina, Juninho (lateral e zagueiro), Edu Dracena e Antonio Carlos
Volantes: Thiago Santos, 
Tchê Tchê e Felipe Melo
Meias: 
Guerra, Raphael Veiga e Michel Bastos (meia e lateral)
Atacantes: 
Dudu, Roger Guedes, Keno, Willian e Borja