Blog do Marcel Rizzo

Às compras: São Paulo aumenta projeção de gastos com reforços para R$ 40 mi

Marcel Rizzo

Em dezembro do ano passado, a diretoria do São Paulo apresentou ao Conselho Deliberativo o orçamento para 2017 com a quantia reservada de R$ 17,5 milhões para investimento no futebol profissional, ou seja, contratações de jogadores.

As vendas do atacante David Neres (R$ 50 milhões, a receber parceladamente), do zagueiro Lyanco (R$ 18 milhões) e do atacante Luiz Araújo (R$ 38 milhões) turbinaram as receitas e a previsão mudou no clube do Morumbi: a projeção agora é que 2017 termine com R$ 40 milhões gastos.  Ou seja, serão cerca de 130% a mais do que o projetado.

Só a contratação de 50% do centroavante Lucas Pratto custou mais do que todo o previsto inicialmente para 2017: R$ 20 milhões. O São Paulo já gastou mais R$ 3,6 milhões com a chegada do meia Maicosuel, outros R$ 240 mil para pagar a multa rescisória do também meia Thomaz no Jorge Wilstermann (BOL), somando quase R$ 24 milhões.

Acrescentando outros valores, como o empréstimo do volante Jucilei do Shandong Luneng (CHN), as contratações dos atacantes Marcinho e Denilson, o valor de negócios do São Paulo no ano passa dos R$ 25 milhões.

O clube ainda tem carências, e a previsão é que haja investimento para que o time fique competitivo para conseguir a vaga na Libertadores no Brasileiro. Somente com o meia Petros, nome que está na lista, a previsão é gastar cerca de R$ 9 milhões.

As vendas deste ano também devem turbinar as compras em 2018, já que haverá dinheiro para entrar daqui alguns meses. A previsão para o ano que vem é que o orçamento apresente valor inicial para contratações na casa dos R$ 30 milhões.