Blog do Marcel Rizzo

Rueda é oferecido ao São Paulo, clube diz não e cita frustração com gringos

Marcel Rizzo

Reinaldo Rueda está sem clube no momento (Crédito: Mike Stobe/Getty Images)

O treinador colombiano Reinaldo Rueda, 60, foi oferecido ao São Paulo por procurador ligado ao clube na noite desta segunda (3), horas após Rogério Ceni perder o cargo.

A diretoria são-paulina recusou prontamente – a avaliação é que as últimas experiências com técnicos estrangeiros, o colombiano Juan Carlos Osorio e o argentino Edgardo Bauza, foram frustrantes e o momento é de apostar em um profissional brasileiro com experiência.

Foi avisado ao procurador que o clube pretende contratar Dorival Júnior, demitido recentemente do Santos. Como publicou o UOL Esporte, o São Paulo terá reunião ainda nesta terça com Dorival, em Florianópolis.

Rueda está sem clube desde que deixou, em junho, o Atlético Nacional de Medellín. Depois de dirigir até a seleção colombiana, entre 2004 e 2006, e ter destaque na seleção do Equador, entre 2010 e 2014, foi no Nacional que o treinador apareceu para o mercado brasileiro, ao montar o time que conquistou a Libertadores de 2016.

O bom desempenho do Nacional no ano passado fez Rueda se tornar “pop” no Brasil e seu nome apareceu como possibilidade em alguns clubes. No início de 2017, Rueda foi cogitado no Corinthians, antes de Fábio Carille ser efetivado de vez, e na pior fase de Zé Ricardo no Flamengo, após a eliminação na fase de grupos da Libertadores, o nome do colombiano também apareceu pela Gávea. O problema sempre foi o mesmo: o alto salário, em dólar, pedido. No caso do São Paulo, nem foi aberta negociação salarial com a recusa imediata.

O também colombiano Osorio assumiu o São Paulo em junho de 2015, inovou com rodízios nas escalações, mas viveu o auge da crise política que fez o ex-presidente Carlos Miguel Aidar renunciar e decidiu deixar o clube do Morumbi para comandar a seleção do México, onde permanece até o momento. Foram apenas quatro meses no comando são-paulino.

Bauza assumiu no fim de 2015, depois de o clube apostar em Doriva por alguns meses após a saída de Osorio. O argentino permaneceu por oito meses, e pediu demissão para assumir a seleção da Argentina – cargo que, por sinal, já perdeu. As saídas em meio ao trabalho dos dois últimos estrangeiros, e Bauza sendo na gestão de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, pegaram mal e o clube não quer ouvir falar de treinador gringo neste momento.