Blog do Marcel Rizzo

Arrumar teto incendiado do Velódromo custará R$ 200 mil aos cofres públicos

Marcel Rizzo

Velódromo teve parte da cobertura danificada por incêndio (Crédito: Reprodução TV Globo)

O governo federal vai gastar mais de R$ 200 mil para arrumar o teto do Velódromo do Parque Olímpico da Barra, danificado por um incêndio no dia 30 de julho.

Por meio da Aglo (Autoridade de Governança do Legado Olímpico), órgão ligado ao Ministério do Esporte criado para cuidar e dar um destino decente às arenas usadas na Rio-2016, o governo contratou a empresa Updown Equipamentos para Eventos Ltda para realizar a obra de “recomposição da cobertura” do Velódromo.

Por se tratar de um contrato emergencial foi dispensada a licitação. O valor do contrato é de R$ 204.634,42, e o prazo para que a obra seja concluída não foi informado ao blog pela Aglo.

No dia 30 de julho, um incêndio causado por um balão destruiu parte do teto do Velódromo. O fogo começou por volta das 0h30, e demorou cerca de 4 horas para ser controlado. Na época, a Aglo informou que não aconteceram problemas hidráulicos ou elétricos, o que não comprometia a refrigeração do local, algo fundamental para a manutenção da pista de ciclismo.

A Folha de S. Paulo, no início de agosto, contou que o Velódromo não tinha um seguro, portanto o dinheiro teria que sair dos cofres públicos. A arena foi uma das últimas da Rio-2016 entregue, e custou cerca de R$ 138 milhões.

Desde dezembro de 2016, o Parque Olímpico da Barra está sob gestão do governo federal depois de o projeto da prefeitura do Rio de parceria público-privada para gerir os equipamentos no local não ter dado certo. A única arena do Parque que continua sob o guarda-chuva da prefeitura é a Arena Carioca 3, para se transformar em uma escola.

O blog mostrou na segunda (21) que o Tribunal de Contas da União recomendou ao Ministério do Esporte que priorize liberação de recursos para eventos que sejam realizados nas arenas olímpicas. Há temor de que as estruturas fiquem subutilizadas.