Blog do Marcel Rizzo

Felipão está livre em 2018, mas ele não será técnico de seu time no Brasil

Marcel Rizzo

Felipão está perto de mais um título na China (Crédito: Xinhua/Liu Dawei)

Luiz Felipe Scolari avisou na segunda-feira (16) à diretoria de seu time chinês, o Guangzhou Evergrande, que não renovará o acordo que se encerra em 30 de novembro.

Livre para 2018, o treinador poderia se tornar opção a diversos clubes brasileiros que devem mudar de comando no ano que vem, como mostrou o blog na segunda, mas não. Ele não tem planos de voltar a trabalhar no Brasil, agora ou no futuro.

Felipão e seus familiares têm preferência por continuar vivendo no exterior. Seu destino pode ser o futebol europeu, mas há outras duas possibilidades: continuar na Ásia (outro clube chinês mesmo não está descartado), ou até mesmo comandar uma seleção na Copa do Mundo de 2018 – sempre há alterações no começo do ano em que o Mundial é disputado.

Seu último trabalho por aqui foi no Grêmio, entre 2014 e 2015, antes de fechar com o Guangzhou. Antes, comandou a seleção brasileira na Copa do Mundo de 2014, no Brasil, parando na semifinal para a Alemanha. Em 2002, foi campeão do mundo na Copa do Japão e da Coreia, última taça da seleção.

O Guangzhou tentou renovar o acordo, preocupado principalmente com a possibilidade de Felipão mudar de clube dentro da China. Ouviu do técnico que ele avalia que até três anos de trabalho em um clube é o ideal, depois disso começa o desgaste, e por isso o ideal era não prorrogar o vínculo.

Ainda restam três rodadas para terminar a Liga Chinesa, mas o Guangzhou está bem perto do título, com seis pontos à frente do Shanghai SIPG (61 a 55). Será o terceiro título da Liga conquistado por Felipão com o clube, além de uma Copa, duas Supercopas e uma Liga dos Campeões da Ásia.