PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Conmebol quer saber quanto TV pagaria para transmitir Copa Intercontinental

Marcel Rizzo

31/01/2018 11h55

A Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol), por meio de parceiras, tem sondado o mercado para avaliar quanto vale o direito de transmissão da Copa Intercontinental. O confronto entre os campeões da Libertadores e da Liga dos Campeões foi disputado entre 1960 e 2004 e sul-americanos e europeus querem nova edição a partir de 2019.

A ideia é que, caso o torneio seja reativado, se faça uma concorrência para venda dos direitos de transmissão em todas as plataformas (TVs aberta e fechada e internet), nos mesmos moldes que a Conmebol fará para a Libertadores a partir do ano que vem. As empresas IMG e Perform ganharam a licitação da entidade para negociar os direitos comerciais da Libertadores, entre eles o de transmissão, e podem repetir a dobradinha na Intercontinental.

No Brasil avalia-se que o Grupo Globo, uma dobradinha Fox/ESPN e o Esporte Interativo, do Grupo Turner, teriam interesse na competição. Em março, dirigentes da Conmebol e da Uefa (União Europeia de Futebol) vão se encontrar em Bogotá, na Colômbia, durante reunião do Conselho da Fifa, para tratar da viabilização da Copa Intercontinental. O paraguaio Alejandro Dominguez, presidente da Conmebol, e e o esloveno Aleksander Ceferin, chefe da Uefa, estarão presentes — o Brasil será representado por Fernando Sarney, vice da CBF e membro do Conselho.

A Copa Intercontinental só vai ocorrer se financeiramente for interessante às confederações e aos clubes. Por isso a sondagem a executivos do mercado sobre quanto estariam dispostos a pagar para transmitir o evento, mas o contato vai além de questões financeiras. Tem se perguntado, por exemplo, qual seria a melhor época do ano para a realização do jogo, e quais possíveis sedes atrairiam mais as empresas, sempre comercialmente falando.

Cartolas da Conmebol e da Uefa estimam que cada clube que participe da Intercontinental possa receber, por edição, cerca de R$ 30 milhões. É bem mais do que o Mundial da Fifa paga ao campeão no formato atual — o Real Madrid pelo título de 2017 recebeu aproximadamente R$ 16 milhões.

Isso vai depender, claro, de quanto patrocinadores toparem financiar o confronto, e se empresas de comunicação vão aceitar desembolsar milhões para transmitir um jogo que, principalmente para os europeus, pode ser tratado como amistoso. Os europeus gostariam que a partida acontecesse no meio do ano, entre junho e agosto, quando suas equipes estão em pré-temporada.

A Copa Intercontinental foi realizada entre 1960 e 2004 — a partir de 2005 a Fifa criou o Mundial de Clubes no formato atual, de forma ininterrupta, acabando com o torneio exclusivo entre América do Sul e Europa. Em 1980, o confronto entre os melhores da Libertadores e da Liga dos Campeões passou a ser disputado em jogo único no Japão, que tinha empresas bancando a partida. A ideia é que se mantenha esse regulamento, mas que mais sedes sejam usadas, como Estados Unidos, China, Coreia do Sul e Qatar.

Em outubro passado, já pensando na valorização para a reativação do torneio, a Fifa acatou pedido da Conmebol e elevou o status da Intercontinental a Mundial de Clubes. Os brasileiros Flamengo, Santos, Grêmio e São Paulo venceram a competição e foram considerados campeões mundiais.

Sobre o Autor

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Sobre o Blog

Notícias dos bastidores do esporte, mas também perfis, entrevistas e personagens com histórias a contar.

Marcel Rizzo