Blog do Marcel Rizzo

TJD envia documentos de interferência na final ao MP, que avaliará o caso

Marcel Rizzo

O Ministério Público de São Paulo vai receber nesta sexta (18) o ofício do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP) com detalhes sobre a suspeita de interferência externa na final do Campeonato Paulista entre Palmeiras e Corinthians, no dia 8 de abril. O promotor Paulo Castilho ainda não descartou avaliar o caso, apesar de as instâncias esportivas terem, até o momento, rejeitado o pedido palmeirense de análise de impugnação da partida.

Quase um mês atrás, em 19 de abril, Castilho afirmou que a pedido da ouvidoria do Ministério Público abriu procedimento para averiguar a situação, e que precisaria receber um ofício do TJD com toda a documentação após o resultado final do processo.

Quatro dias depois, dia 23 de abril, o TJD decidiu arquivar o caso sem julgar o mérito, por entender não haver indícios de que houve interferência externa na decisão do árbitro Marcelo Aparecido de Souza em voltar atrás na marcação de um pênalti do corintiano Ralf em Dudu — o Corinthians venceu por 1 a 0 no tempo normal, ganhou também nos pênaltis e levou o título estadual.

Até a noite de quinta (17), o Ministério Público havia informado que o ofício do TJD não tinha sido encaminhado. Na manhã desta sexta (18), o presidente do TJD, Antônio Olim, informou ao blog que enviaria ''ainda hoje uma cópia do inquérito ao querido amigo Dr. Castilho''.

O Palmeiras recorreu ao STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), ao mesmo tempo que manteve recurso no TJD, com o mesmo pedido: que o fosse o julgado o mérito do caso. O STJD entendeu que cabe ao TJD resolver isso, mas não há uma data para que o tribunal paulista se pronuncie. No entendimento do tribunal paulista, a decisão do STJD deve encerrar de vez o assunto, e por isso a documentação só está sendo enviada agora à promotoria.

O Palmeiras contratou até uma empresa, a Kroll, para tentar provar que Souza recebeu informação de não integrante do quarteto de arbitragem sobre o lance. Os documentos foram anexados ao processo do TJD. Todos os envolvidos prestaram depoimento ao TJD, e caso o processo avance na investigação do Ministério Público podem ser convocados a falar novamente.

Essa investigação, se prosseguir, terá âmbito crimina, punindo possíveis responsáveis por uma atitude contra as regras do futebol, mas não terá, por exemplo, o poder de impugnar a partida ou punir esportivamente os envolvidos (com suspensões, por exemplo).