Topo
Blog do Marcel Rizzo

Blog do Marcel Rizzo

Categorias

Histórico

Fifa tem acordo em 23 países com empresa acusada de pagar por Copa do Qatar

Marcel Rizzo

2012-03-20T19:04:00

12/03/2019 04h00

Joseph Blatter anuncia vitória do Qatar em dezembro de 2010 (Crédito: AFP)

A empresa acusada de pagar pela candidatura do Qatar para a Copa do Mundo de 2022 detém os direitos dos dois principais torneios da Fifa em 2019, a Copa do Mundo feminina e o Mundial sub-20 masculino, para 23 países na África e na Ásia. A beIN Sports, que é subsidiária da Al Jazeera, mantém contrato com a Fifa, apurou o blog, pelo menos até 2022.

O jornal inglês Sunday Times publicou no domingo (10) que a Al Jazeera pagou à Fifa US$ 400 milhões (R$ 1,53 bilhão) poucos dias antes da escolha da sede da Copa de 2022, em dezembro de 2010 — esta informação já havia aparecido no livro "Custe o que custar", de 2018, da australiana Bonita Mersiades, que trabalhou na candidatura derrotada da Austrália para a Copa-2022. Na época o governo qatariano tinha participação na empresa. Destes, US$ 100 milhões (R$ 385 milhões), segundo documento obtido pelo Times, só seriam pagos se o Qatar fosse confirmado como sede do Mundial.

Três anos depois, em 2013, outros US$ 480 milhões (R$ 1,84 bilhão) foram pagos à Fifa, já pela subsidiária beIN Sports. Este valor explicaria os contratos vigentes para os torneios da Fifa, como a Copa feminina e o Mundial Sub-20. A Fifa respondeu ao Times que "as acusações relacionadas à atribuição da Copa do Mundo da Fifa 2022 já foram comentadas amplamente pela Fifa e que, em junho de 2017, publicou integralmente o relatório García no site Fifa.com. Por outro lado, a Fifa apresentou uma denúncia na Procuradoria Geral da Suíça e o processo segue em andamento. A Fifa coopera e continuará cooperando com as autoridades".

O relatório independente elaborado pelo advogado Michael Garcia apontou pagamento de propina a cartolas para que o Qatar fosse escolhido como sede da Copa, mas em nenhum momento a Fifa cogitou mudar a sede da competição. Os citados no relatório, como o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira, estão afastados de cargos diretivos do futebol — ele nega as acusações.

A beIN Spots informou ao Times que o pagamento extra de US$ 100 milhões foi referente à contribuições de produção e que se tratava de uma prática padrão de mercado frequentemente impostas sobre as emissoras por parte das federações e empresas detentoras de direitos de transmissão. "Ocorre um significativo aumento em interesse e em receitas adicionais de uma emissora e custos significativos da produção local para um detentor de direitos de transmissão quando um evento de grande porte é entregue ao mercado doméstico da emissora".

Fifagate

A beIN Sports tem os direitos da Copa do Mundo feminina, que ocorrerá de 7 de junho a 7 de julho na França, em dez dos 11 territórios africanos que terão a transmissão da competição. O único a não ser da beIN é o departamento francês Reunião, que terá a TF1 como retransmissora, mesma emissora que comprou os direitos para a França. Na Ásia, a beIN tem 13 dos 19 países que passarão a Copa feminina e também o Mundial Sub-20 na Polônia, de 23 de maio a 15 de junho.

A Fifa vende diretamente os direitos de transmissão para todas as plataformas (TV, rádio, internet e mobile) para empresas que pagam valores, como visto, bem altos. Não precisa ser necessariamente uma emissora, pode ser uma companhia especializada em marketing esportivo e que, depois, repassa às TVs ou rádios especificamente. É o caso do que ocorre nas Américas.

Para a Copa feminina e o Sub-20 em nove dos dez países da América do Sul filiados à Conmebol, com exceção do Brasil, a Fifa vendeu os direitos para a Mountrigi Management Group, uma subsidiária da mexicana Televisa com sede na Suíça. Ela, depois, repassa esses direitos às emissoras. Na Argentina, por exemplo, houve uma triangulação: da Mountrigi vendido para a TyC, que repassou para a DirecTV Latin América, que de fato transmitirá as partidas. No Brasil, o Grupo Globo detém os direitos dos torneios da Fifa.

A TyC esteve envolvida no Fifagate, caso que desnudou propinas pagas a cartolas por empresas de marketing esportivo para conseguir os direitos de transmissão de torneios nas Américas. Dezenas de cartolas foram acusados, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin, condenado pela Justiça dos EUA a quatro anos de prisão por conspiração para organização criminosa, fraude financeira nas Copas América, Libertadores e do Brasil e lavagem de dinheiro nas Copas América e Libertadores. Marco Polo Del Nero, outro ex-presidente da CBF, foi banido para sempre do futebol pela Fifa por causa dessas acusações. Ambos negam tudo.

Territórios que a beIN Sports têm os direitos de transmissão da Copa do Mundo feminina e do Mundial Sub-20 masculino em 2019:

África
Argélia
Egito
Líbia
Marrocos
Mauritânia
Djibouti
Comores
Somália
Sudão
Tunísia

Ásia
Bahrein
Irã
Iraque
Jordânia
Kuwait
Líbano
Omã
Palestina
Qatar
Arábia Saudita
Síria
Emirados Árabes Unidos
Iêmen

VEJA MAIS

Qatar pagou US$ 880 milhões à Fifa por Copa do Mundo de 2022, diz jornal

Braço de TV acusada de por propina comprou direitos da Copa-2018 para quase toda a América

Empresa que admitiu ter pago propina continua comprando torneios da Fifa

Sobre o Autor

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Sobre o Blog

Notícias dos bastidores do esporte, mas também perfis, entrevistas e personagens com histórias a contar.

Mais Blog do Marcel Rizzo