Topo
Blog do Marcel Rizzo

Blog do Marcel Rizzo

Categorias

Histórico

CBF descarta árbitro exclusivo para o VAR e terá controle na escala

Marcel Rizzo

2022-04-20T19:04:00

22/04/2019 04h00

VAR foi aprovado pelos 20 clubes da Série A para 2019 (Crédito: Marco Bertorello/AFP)

A comissão de arbitragem da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) não pretende, ao menos no início da Série A no próximo final de semana, deixar árbitros exclusivos como VAR. Com isso profissionais que em uma rodada estiverem no campo, como árbitro principal ou assistente (os bandeirinhas), podem nas seguintes aparecer nas salas de controle do árbitro de vídeo.

Há uma preocupação em minimizar problemas no uso do VAR nesse início de competição. Os principais Estaduais do país tiveram o árbitro de vídeo em suas fases finais e houve muita reclamação. A principal a demora excessiva, entre três e cinco minutos até para se analisar determinadas jogadas — a Fifa indica que um minuto é o tempo ideal nos casos que o árbitro de campo não precise ir até o monitor na beira do gramado.

LEIA TAMBÉM:

VAR demora mais de 3 minutos em lance de Deyverson e culpa pode ser do 3D

VAR no Brasileiro vai custar R$ 19 milhões e clubes pagarão parte

VAR centralizado é descartado em 2019 e cada estádio terá cabine exclusiva

A CBF, que trocou o comando de sua comissão de arbitragem, agora nas mãos do ex-árbitro Leonardo Gaciba, quer ter um controle maior sobre as escalas. Por isso que não haverá mais sorteio para definição da arbitragem em cada uma das 38 rodadas, mas sim audiência pública — o Estatuto do Torcedor permite isso desde 2015. Essa possibilidade de indicar os árbitros dará liberdade para a comissão escolher as equipes de campo e de VAR.

Em jogos classificados como mais complicados para a arbitragem, por exemplo, não será estranho ver profissionais experientes no gramado e também nas salas de comando. Isso muda um pouco as diretrizes que inicialmente a CBF pensava para as partidas do Brasileiro com o VAR, com os principais juízes do país em campo para se evitar ao máximo o uso da tecnologia. Só que nesse início do árbitro de vídeo no Brasil as prioridades viraram outras: se evitar a demora nas decisões e que as conclusões em lances subjetivos sejam feitas com maior eficiência, por isso os mais rodados também estarão na cabine.

Sobre o Autor

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Sobre o Blog

Notícias dos bastidores do esporte, mas também perfis, entrevistas e personagens com histórias a contar.

Mais Blog do Marcel Rizzo