Topo
Blog do Marcel Rizzo

Blog do Marcel Rizzo

Categorias

Histórico

Copa do Mundo da Rússia turbina contas e CBF tem lucro de R$ 52 mi em 2018

Marcel Rizzo

25/04/2019 16h20

Rogério Caboclo assumiu em abril a presidência da CBF, que teve o balanço de 2018 aprovado (Crédito: Lucas Figueiredo/Divulgação CBF)

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) fechou 2018 com um lucro de R$ 52,09 milhões. O número está no balanço financeiro da entidade, que mostra também uma receita líquida de R$ 587,11 milhões, cerca de 13% superior ao arrecadado em 2017 (R$ 511,64 milhões) — o superávit dois anos atrás foi de R$ 50,7 milhões.

A entidade manteve o resultado positivo mesmo com diminuição de quase 10% do arrecadado com patrocínios (R$ 318,8 milhões em 2018 contra R$ 353,7 milhões em 2017). Isso foi compensado principalmente com a participação da seleção brasileira na Copa do Mundo da Rússia, que apesar da eliminação nas quartas de final (derrota de 2 a 1 para a Bélgica) rendeu bons valores de direito de transmissão e comerciais (R$ 155,87 milhões, aumento de mais de 60%. Nesse item também entram as competições promovidas pela CBF) e em bilheteria e premiação (R$ 92 milhões, crescimento também de mais de 60%).

LEIA MAIS:

VAR no Brasileiro custará R$ 19 milhões e clubes pagarão parte

Caboclo tome posse como presidente da CBF e anuncia comissão de ex-jogadores

O principal gasto da CBF continua sendo a "contribuição de fomento ao futebol nos estados e competições", com o qual gastou R$ 178,3 milhões, cerca de R$ 20 milhões a mais do que em 2017. Há nesse bolo repasse às federações estaduais, mas principalmente gastos com competições, como as Séries C e D. Com a seleção principal o gasto foi de R$ 132,6 milhões, cerca de 40% a mais do que dois anos atrás — também efeito da Copa do Mundo. Seleções feminina e de base custaram bem menos, R$ 36,6 milhões.

Mais um ano de superávit fez a CBF topar pagar a maior parte do VAR (árbitro de vídeo) no Brasileiro-2019 que começa neste final de semana. A entidade vai desembolsar R$ 12 milhões, ou quase 25% do lucro que teve em 2018. Os clubes vão pagar os cerca de R$ 7 milhões restantes para o uso da tecnologia na Série A.

Sobre o Autor

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Sobre o Blog

Notícias dos bastidores do esporte, mas também perfis, entrevistas e personagens com histórias a contar.

Mais Blog do Marcel Rizzo