Topo
Blog do Marcel Rizzo

Blog do Marcel Rizzo

Categorias

Histórico

Multa de Felipão no Palmeiras é metade do que Cruzeiro pagou por Ceni

Marcel Rizzo

02/09/2019 10h40

A multa rescisória do técnico Luiz Felipe Scolari no Palmeiras é de R$ 500 mil, um salário do treinador. O contrato vale até o fim de 2020. No mês passado, o Cruzeiro pagou ao Fortaleza aproximadamente R$ 1 milhão para levar Rogério Ceni, após demitir Mano Menezes. O cálculo da multa do treinador no time cearense era diferente: o restante a se pagar de salário nos meses de setembro a dezembro.

A derrota para o Flamengo por 3 a 0 neste domingo (1), atrelada à eliminação na Libertadores para o Grêmio no meio da semana, elevou a pressão sobre Felipão. Na entrevista pós-jogo no Maracanã, o técnico falou normalmente sobre seguir o trabalho, mas o blog apurou que há dúvidas na diretoria se o melhor no momento não é a troca, já que o time continua bem posicionado para brigar pelo título brasileiro.

LEIA MAIS:

Para apagar incêndio, Palmeiras tenta enfim explorar trunfos do calendário

Flamengo massacra Palmeiras, quebra tabu de cinco anos e reassume a liderança

Quando assinou o contrato, em julho de 2018, Felipão pediu um contrato mais longo, de um ano e meio, incomum atualmente para os clubes do Brasil, que priorizam acordos de 12 meses. Também havia a eleição para presidente no Palmeiras, no fim de 2018, mas o presidente Mauricio Galiotte acabou reeleito.

Na época, Felipão pediu que o acordo não tivesse multa, ou seja, quem quisesse encerrar o contrato não pagaria nada, mas o Palmeiras achou melhor estipular um valor, mesmo que não tão alto. Foi acordado um salário — Felipão voltou ao clube paulista para ganhar menos do que recebia em sua última passagem, em 2012. Havia uma diferença, porém: bônus em casos de conquistas, como mostrou a coluna De Primeira em agosto: R$ 1,5 milhão por título brasileiro, R$ 1,2 milhão por taça da Copa do Brasil e R$ 2 milhões pela Libertadores. Felipão conquistou o título da Série A no ano passado.

Desde 2015, quando o diretor Alexandre Mattos chegou após o time quase ser rebaixado no Brasileiro em 2014, o Palmeiras já teve sete treinadores (Cuca por duas oportunidades). Não houve ano em que aquele que começou o trabalho em janeiro finalizou a temporada empregado, Felipão pode ser o primeiro a fazer isso caso cumpra o contrato até o fim.

Sobre o Autor

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Sobre o Blog

Notícias dos bastidores do esporte, mas também perfis, entrevistas e personagens com histórias a contar.

Mais Blog do Marcel Rizzo