PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

Corinthians inicia 2020 como grande paulista com mais atletas sob contrato

Marcel Rizzo

04/01/2020 04h00

Ainda como reflexo do time B que mantém desde 2019, o Corinthians inicia 2020 como o grande clube paulista com mais jogadores sob contrato profissional: são 116, segundo levantamento do blog nos registros oficiais. Esse número, porém, deve mudar nas próximas semanas com contratações e saídas de atletas, principalmente por empréstimo.

O número já é inferior aos 126 de julho passado, quando levantamento mostrava o time do Parque São Jorge à frente dos rivais paulistas quando se tratava de vinculo com jogadores. Nessa lista inclui-se atletas do time principal, claro, mas também aqueles que voltam de empréstimo e não interessam e outros que ainda atuam na base, mas já assinaram como profissionais.

LEIA MAIS:

Corinthians incha com sub-23 e tem 126 atletas sob contrato; SPFC tem 76

Corinthians gasta R$ 4 mi com time B; filho de ex-diretor ganha R$ 3,5 mil

O Santos tem 100 atletas sob contrato profissional, o Palmeiras 96 e o São Paulo 83, mas a lista mudará nos próximos dias. No caso do Palmeiras, por exemplo, jogadores como Borja, emprestado ao Junior Barranquilla, e Antonio Carlos, cedido ao Orlando City, deixarão de ter o acordo ativo até o retorno dos empréstimos. Janeiro, fevereiro, julho e agosto são, normalmente, os meses de maior movimentação contratual dos clubes brasileiros.

O Corinthians montou um time B, sub-23, para disputar a Copa Paulista, o torneio organizado no segundo semestre pela Federação Paulista de Futebol (FPF) principalmente para movimentar os times do interior que não têm calendário. Para o presidente Andrés Sanchez era cedo avaliar em julho se daria certo ou não o projeto. Hoje, internamente, o time B é visto como caro, mas a princípio será mantido para 2020.

Os elencos dos times principais, normalmente, têm entre 30 e 35 jogadores, mas os clubes optam por mais atletas sob contrato por alguns motivos. O principal é já deixar pronto um contrato profissional com talentos da base, acordos que podem ser firmados após os 16 anos. Também é uma maneira de deixar jogadores amarrados e, caso não sejam utilizados naquele ano, emprestá-los, o que pode ser uma maneira de fazer dinheiro.

Sobre o Autor

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Sobre o Blog

Notícias dos bastidores do esporte, mas também perfis, entrevistas e personagens com histórias a contar.