Blog do Marcel Rizzo

Arquivo : ifab; Fifa; CBF; Campeonato Brasileiro; regras futebol

Atleta fora por 10 minutos: veja detalhes da expulsão temporária no futebol
Comentários Comente

Marcel Rizzo

A Ifab (International Football Association Board), órgão que define as regras do futebol, costuma liberar experimentações em partidas de categorias de base e de veteranos que, se bem recebidas, podem aparecer em torneios oficiais nos anos seguintes. Uma das liberadas a ser testada em nível amador é a expulsão temporária, o chamado “sin bin”, que é como outros esportes – hóquei no gelo, por exemplo – batizaram a área técnica onde o atleta afastado por alguns minutos fica aguardando para retornar ao jogo.

A Ifab, pela primeira vez, regulamentou o “sin bin” para o futebol, explicando como aplicá-lo e que já pode ser usado em torneios de jovens, veteranos e deficientes físicos por qualquer associação filiada à Fifa — em partidas oficiais de times principais ou de seleções nacionais ainda é proibido. O blog mostra, abaixo, como vai funcionar a expulsão temporária no futebol caso seja aprovada nos próximos anos – a Ifab acredita que isso não ocorra antes de 2021.

A ideia central é que a saída por alguns minutos de um jogador de campo substitua a advertência por cartão amarelo em algumas ou até mesmo em todas as situações (as duas opções serão testadas nos próximos anos) — o cartão vermelho, a expulsão direta, é mantida como está e aquele que receber essa punição não volta mais a jogo.

Diz o texto incluído, para testes, na regra 5 do futebol, que define os poderes e deveres dos árbitros: “uma exclusão temporária é quando um jogador comete uma infração passível de advertência (cartão amarelo) e é punido com uma suspensão imediata, sendo impedido de participar dos minutos seguintes da partida. A filosofia por trás desta “punição imediata” é que “ela pode ter uma influência positiva e imediata no comportamento do jogador infrator e, inclusive, na sua equipe”.

Segundo a Ifab, apenas jogadores em campo poderão ser excluídos temporariamente (os cartões amarelos e vermelhos, por exemplo, podem ser dados a atletas que estão no banco de reservas). Ao definir por essa punição, o árbitro “indicará a exclusão temporária ao mostrar o cartão amarelo e então apontar claramente, com ambos os braços, a área da exclusão temporária (geralmente a própria área técnica da equipe do jogador)”. Ou seja, aquele expulso por alguns minutos poderá ficar acompanhando a partida ao lado de seu treinador, na área técnica em frente ao banco de reservas, mas a Ifab dá outra opção: se preferir pode se manter em aquecimento em área determinada com os atletas suplentes.

A entidade diz que o tempo ideal para exclusão é entre 10% e 15% do tempo total de uma partida de futebol — neste momento de testes cada associação pode definir esse período em que o suspenso temporário ficará do lado de fora do campo. A Ifab usa como exemplo o tempo de dez minutos para uma partida de 90. Caso haja, nesse interim, tempo a se acrescentar ao final (por cera de um dos times, por exemplo), é preciso que proporcionalmente esses minutos também sejam acrescidos à suspensão temporária do atleta.

Há mais: não será função do árbitro principal cronometrar o período em que o punido ficará do lado de fora, isso caberá ao quarto árbitro ou até mesmo ao delegado do confronto, algo que, no momento, pode ser determinado pela associação que quiser testar a regra. Assim que acabar o tempo de suspensão, o responsável pela cronometragem avisa ao jogador e ao árbitro, que o autoriza a voltar para o campo.

A Ifab faz questão de deixar claro que um atleta suspenso temporariamente não pode, claro, ser substituído no período em que estiver cumprindo sua punição, e que caso acabe o primeiro ou o segundo tempo (e houver prorrogação), e o período total da exclusão não tiver terminado, ele cumprirá o que restar no início da próxima etapa.

Em quais situações punir com a exclusão temporária

A associação que define as regras do futebol dá duas opções para que se aplique a expulsão temporária: em todas as advertências que se veja necessidade do cartão amarelo, ou seja, toda vez que se entender dar o amarelo o atleta ficaria fora por dez minutos. Ou para algumas situações, que seria algo intermediário entre o amarelo e o vermelho.

No caso da primeira situação, as recomendações de aplicação de advertência são as mesmas hoje para o cartão amarelo: faltas menos graves, reclamações menos acintosas, etc. Caso um atleta recebe a segunda exclusão temporária (ou seja, o segundo cartão amarelo), ele não pode mais voltar ao jogo, mas após o tempo determinado pelo regulamento da suspensão o time pode colocar outro atleta em campo, sendo considerada uma substituição.

O segundo caso é mais complexo, já que a Ifab diz que a associação que estiver testando a regra deve publicar uma lista pré-definida com as infrações puníveis com a exclusão temporária – nas demais será dado o cartão amarelo “comum”. A entidade, porém, dá uma “mãozinha” e diz algumas situações em que a suspensão por alguns minutos pode ser aplicada: simulação; retardar o início do jogo, discordar da decisão da arbitragem com gestos ou palavras; interromper um ataque promissor por agarrar, segurar ou empurrar um adversário ou ainda colocar a mão na bola; fazer finta ilegal (a famosa paradinha) ao executar uma cobrança de pênalti.

Nessa situação, o acúmulo de um cartão amarelo “comum” com a exclusão temporária não resultará em expulsão, o atleta poderá continuar jogando. Mas duas suspensões por algum tempo, como no primeiro caso, faz com que o atleta não possa retornar a campo, mas possa ser substituído caso seu time ainda tenha alterações a fazer no jogo.

Essa regra não está incluída na pauta da Ifab de sua reunião anual, que será em março de 2019, na Escócia, portanto não poderá entrar definitivamente nas regras de futebol no ano que vem. O tema é controverso, e por isso os testes são necessários para definir se é prático, não atrasa o andamento do jogo (um jogador expulso temporariamente pode demorar para sair, reclamando), entre outras questões. A previsão mais otimista dentro da Ifab é que, se os testes forem positivos, possa ser discutido a partir de 2021. De qualquer maneira já há um esboço de como seria utilizado.

Leia mais

Pioneiro dos testes, levantamento mostra Brasil para trás no uso do VAR

Ifab estuda maneiras de reduzir tempo de bola parada após recorde negativo no Inglês

Com cartões para técnicos, o que pode mudar nas regras do futebol em 2019


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>