PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Para agradar Brasil e Argentina, Conmebol sorteará jogos das eliminatórias

Marcel Rizzo

23/11/2019 04h00

A Conmebol decidiu que sorteará a tabela das eliminatórias para a Copa do Qatar em 2022 — o classificatório começará em março. Havia possibilidade de que se mantivesse o calendário da disputa anterior, que qualificou para o Mundial da Rússia-2018, mas isso foi rechaçado principalmente porque a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e a AFA (Associação de Futebol da Argentina) preferiam um sorteio para uma tabela renovada. O regulamento é o mesmo, pontos corridos com as dez seleções se enfrentando ida e volta.

Agradou à CBF porque a entidade vê com preocupação o início das eliminatórias para a seleção e o técnico Tite, que não conseguiu bons resultados pós-Copa de 2018. Na avaliação interna a tabela do torneio passado tinha um começo duro, encarando Chile e Argentina fora de casa nas três primeiras rodadas, além da Venezuela, que evoluiu e hoje é considerada uma seleção superior a Paraguai, Equador e Bolívia.

O sorteio ocorrerá dia 17 de dezembro, na sede da Conmebol em Luque, cidade da região metropolitana de Assunção (Paraguai). A data foi escolhida porque a cartolagem estará toda por lá para no dia seguinte participar do sorteio dos confrontos da Libertadores e da Sul-Americana 2020. A dúvida sobre se sorteariam ou não uma nova tabela ocorreu porque a Fifa acabou com o seu sorteio oficial das eliminatórias para a Copa, evento que ocorria no país-sede. Para 2022 cada confederação se responsabilizou por realizar eventos, se necessário, para definir os confrontos de seus qualificatórios.

LEIA MAIS:

Copa América-2020 terá jogos limitados na TV aberta

Fifa divulga marca da Copa do Mundo Qatar-2022

Desempenho ruim ligou o alerta, mas Tite ainda tem o respaldo de CBF e atletas

A seleção brasileira, se a tabela da eliminatória para a Copa da Rússia fosse mantida, teria como cinco primeiros rivais o Chile (fora), a Venezuela (em casa), a Argentina (fora), o Peru (em casa) e o Uruguai (em casa). Um início amargo, contra rivais tradicionais e outros em evolução, e que levou o antecessor de Tite, Dunga, a tropeços que custaram seu emprego.

É claro que um sorteio como o que se realizará pode manter a tabela em um estágio considerado difícil, ou até piorá-lo (Argentina, Uruguai e Colômbia numa sequência?), mas a avaliação é que deverá ficar mais leve. A CBF também gostaria que, dessa vez, o Brasil estreasse em março jogando dentro de casa — ainda não se sabe qual estado receberá a partida, mas é provável que fique pela região Sudeste.

Apesar de ter estreado em casa contra o Equador na última eliminatória (perdeu por 2 a 0), a AFA também avalia como difícil o início de tabela do último qualificatório para um time que também tenta encontrar um perfil com o técnico Lionel Scaloni. Nas cinco primeiras rodadas teve o clássico contra o Brasil, na terceira, e visitas a Chile e Colômbia. Com brasileiros e argentinos querendo um novo sorteio ficou fácil para a Conmebol decidir por ele.

O Brasil, já com Tite na parte final, terminou as eliminatórias para a Copa de 2018 como primeiro, com 41 pontos. O Uruguai foi o segundo, com 31, e os argentinos os terceiros, com 28. A Conmebol manteve para 2022 as quatro vagas e meia – o quinto colocado disputa uma repescagem contra seleção da Ásia ou Oceania. Para 2026, quando a Copa vai inchar para 48 participantes, a Conmebol terá seis diretas.

Sobre o Autor

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Sobre o Blog

Notícias dos bastidores do esporte, mas também perfis, entrevistas e personagens com histórias a contar.

Marcel Rizzo